Engravidar estando a dar de mamar

Engravidar estando a dar de mamar

1447020635 | Pixel-Shot | shutterstock.com

É possível ficar grávida apesar de estar a amamentar?

Este é um tempo especial: o seu bebé nasceu há pouco tempo e ainda o está a amamentar. Nesta altura, é possível engravidar? Mesmo se, desde o parto, o período ainda não voltou a aparecer? Ou a amamentação não é considerada um método de planeamento familiar? Leia aqui as respostas mais relevantes a estas questões. 

    A nossa dica: 🤰 Será que estou grávida? – Faça o Teste de Gravidez Online

     

    Sim, é possível engravidar estando a amamentar

    Ouve-se frequentemente que o aleitamento materno, além de ser benéfico para o bebé, tem a vantagem de impedir uma nova gravidez. Isto não é inteiramente verdade – de facto, uma mulher pode engravidar, mesmo estando a dar de mamar. Explicamos porquê, passo a passo. 

     

    1. Como o aleitamento influencia o equilíbrio hormonal da mãe

    Devido à produção de leite materno, o retomar da ovulação após o parto é adiado pelas alterações hormonais próprias desta fase: surge a prolactina, hormona responsável pela produção de leite materno e que também reduz a capacidade de maturação, ou libertação, de óvulos (ovulação). 

    Uma coisa é certa: quanto mais vezes e mais regularmente amamentar o seu filho, maior a sua produção de prolactina. Por isso, admite-se que, se uma mulher amamentar entre 6 a 10 vezes por dia, é menos provável que surja uma nova gravidez, sobretudo durante os primeiros seis meses de vida do bebé

     

    2. Como surge uma gravidez durante a amamentação?

    A regra geral que referimos acima não é infalível. A fecundidade é menor quando se está a dar de mamar, mas não é impossível engravidar nesta fase. Basta que uma mamada ocorra ligeiramente mais tarde para haver uma redução na produção de prolactina permitindo, desse modo, a ovulação. Que, por sua vez, possibilita a fecundação. 

    Também é possível voltar a estar fértil pouco tempo depois do parto. Há muitas mulheres que alimentam o bebé exclusivamente com leite materno e, ainda assim, engravidam novamente durante essas semanas. Isto porque, teoricamente, pouco depois da hemorragia decorrente do parto, pode surgir uma primeira ovulação

    A amamentação não é, portanto, um método seguro de contraceção

     

    3. Grávida apesar do aleitamento, sem ter tido o período?

    Não são raras as mulheres que, estando a amamentar, engravidam mesmo sem terem o período nenhuma vez desde o último parto. 

    Isto acontece porque a primeira ovulação, que torna possível uma nova gravidez, precede a primeira menstruação. Se este primeiro óvulo for fecundado, ocorre uma nova gravidez. 

     

    Sinais de gravidez apesar da amamentação

    Como nos podemos aperceber de uma nova gravidez, enquanto estamos a dar de mamar? Os sintomas de uma gravidez podem não ser iguais aos de outras gravidezes.  As alterações hormonais que ocorrem durante o período da amamentação tornam menos evidentes os sinais do corpo. 

    Para ter a certeza, o melhor é fazer um teste de gravidez – que funciona, mesmo quando se está a amamentar. 

    • A nossa sugestão: 🤰 O Teste de Gravidez Online da profemina pode ajudá-la a interpretar corretamente os sintomas.

     

    Continuar a amamentar, apesar de estar grávida outra vez?

    Se descobriu que está grávida e ainda está a amamentar, pode sentir-se confusa com tantas emoções diferentes:

    • Por um lado, quer desfrutar deste tempo, em que amamenta o seu bebé.
    • Por outro lado, pode querer preparar-se para esta nova gravidez. 
    • De qualquer maneira, é importante que cuide bem do seu corpo. 

     

    1. A amamentação e a gravidez são compatíveis

    Por norma, continuar a amamentar mesmo estando grávida não é um problema. O seu corpo continua a funcionar normalmente e de modo eficaz: 

    • O embrião continua a receber todos os nutrientes importantes, apesar da amamentação. Só num estado mais avançado da gravidez é que o aleitamento poderá despoletar um parto prematuro mas, por agora, não precisa de se preocupar.
    • A composição do seu leite continua a ser perfeitamente adequada para o bebé que está a amamentar. Contudo, pode haver alterações de sabor, pelo que o seu bebé pode, gradual e voluntariamente, deixar de querer mamar.  

     

    2. Sugestão: nesta fase, cuide de si de modo especial

    Por enquanto, não precisa de se preocupar com tomar conta de dois bebés ao mesmo tempo. Mas não deixa de ser verdade que a gravidez e o aleitamento, em simultâneo, podem ser particularmente exigentes. É por isso que deve cuidar especialmente bem de si nesta fase

    • Siga uma dieta equilibrada
    • Descanse o suficiente
    • Tome ácido fólico

    Também pode conversar com o seu médico sobre a hipótese de tomar outros suplementos alimentares, como ferro ou zinco. 

    Com as alterações hormonais da gravidez, os mamilos podem tornar-se mais sensíveis ou mesmo doridos. Mais uma vez, neste caso é importante prestar a si mesma os cuidados adequados. 

    À medida que a gravidez avança, é recomendável consultar regularmente o seu ginecologista ou médico de família, principalmente por estar grávida e a amamentar ao mesmo tempo. 

     

    3. Amamentar o bebé mais velho e o recém-nascido em simultâneo (ou "tandem")

    Se continuou a amamentar o seu filho mais velho durante a nova gravidez, o seu leite vai, quase miraculosamente, tornar-se adequado para o recém-nascido após o novo parto, voltando a ser particularmente nutritivo. O seu bebé mais velho também vai beneficiar com esta alteração, podendo mesmo ocorrer, nessa altura, um salto no seu crescimento. 

    Se pretende continuar a amamentar ambos, deve ter em conta o seguinte: naturalmente, a prioridade deve ser dada ao recém-nascido, que deve ser sempre o primeiro a mamar. 

    Poderá conversar com uma conselheira de amamentação sobre a melhor maneira de consegui-lo, seja alternando o lado com que amamenta, seja seguindo outras indicações. 

     

    Gravidez não planeada apesar da amamentação. E agora?

    Talvez você tenha ficado grávida outra vez, de modo totalmente inesperado, e já com outro bebé pequeno nos braços. É natural que se sinta sobrecarregada e sem saber o que fazer. Nesta situação, o facto de já ter procurado informação relativa aos aspetos médicos mais importantes, como os que encontrou neste artigo, é bastante positivo! 

    Sinta-se à vontade para contactar a nossa equipa de acompanhamento e partilhar qualquer preocupação que esteja a viver neste momento! Estamos disponíveis para, consigo, analisar as suas alternativas.

     

    Outros artigos interessantes:

    Considera que a informação neste artigo foi útil?